top of page

TEA – TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO



O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do desenvolvimento neurológico, caracterizado por dificuldades de comunicação e interação social e pela presença de comportamentos e/ou interesses repetitivos ou restritos.

Esses sintomas configuram o núcleo do transtorno, mas a gravidade de sua apresentação é variável. Trata-se de um transtorno pervasivo e permanente, não havendo cura, ainda que a intervenção precoce possa alterar o prognóstico e suavizar os sintomas.

O TEA tem origem nos primeiros anos de vida, mas sua trajetória inicial não é uniforme. Em algumas crianças, os sintomas são aparentes logo após o nascimento. Na maioria dos casos, no entanto, os sintomas do TEA só são consistentemente identificados entre os 12 e 24 meses de idade. Por exemplo, aos 6 meses de idade podem-se não encontrar diferenças entre bebês que mais tarde receberão o diagnóstico de TEA e aqueles que continuarão a desenvolver-se tipicamente no que diz respeito à frequência de comportamentos sociais e comunicativos próprios dessa idade (sorriso social, vocalizações dirigidas e olhar para o rosto de outras pessoas). Por outro lado, diferenças na frequência desses comportamentos eram claramente perceptíveis aos 12 e/ou 18 meses de idade. Há também evidência de que, a partir dos 12 meses de idade, as crianças que mais tarde recebem o diagnóstico de TEA distinguem-se claramente daquelas que continuam a desenvolver-se tipicamente em relação à frequência de gestos comunicativos (apontar) e da resposta ao nome. Outros sinais já aparentes aos 12 meses de idade incluem o manuseio atípico de objetos (enfileirar ou girar os brinquedos) e/ou sua exploração visual. Não obstante essa evidência, o diagnóstico do TEA ocorre, em média, aos 4 ou 5 anos de idade.

Essa situação é lamentável, tendo em vista que a intervenção precoce está associada a ganhos significativos no funcionamento cognitivo e adaptativo da criança. Alguns estudiosos têm até mesmo sugerido que a intervenção precoce e intensiva tem o potencial de impedir a manifestação completa do TEA, por coincidir com um período do desenvolvimento em que o cérebro é altamente plástico e maleável.

Não é surpreendente, portanto, que a busca por sinais precoces do autismo continua sendo uma área de intensa investigação científica. Alguns marcadores potencialmente importantes no primeiro ano de vida incluem anormalidades no controle motor, atraso no desenvolvimento motor, sensibilidade diminuída a recompensas sociais, afeto negativo e dificuldade no controle da atenção.

São sinais sugestivos no primeiro ano de vida:

- Perder habilidades já adquiridas, como balbucio ou gesto dêitico de alcançar, contato ocular ou sorriso social;

- Não se voltar para sons, ruídos e vozes no ambiente;

- Não apresentar sorriso social;

- Baixo contato ocular e deficiência no olhar sustentado;

- Baixa atenção à face humana (preferência por objetos);

- Demonstrar maior interesse por objetos do que por pessoas;

- Não seguir objetos e pessoas próximos em movimento;

- Apresentar pouca ou nenhuma vocalização;

- Não aceitar o toque;

- Não responder ao nome;

- Imitação pobre;

- Baixa frequência de sorriso e reciprocidade social, bem como restrito engajamento social

(pouca iniciativa e baixa disponibilidade de resposta)

- Interesses não usuais, como fixação em estímulos sensório-viso-motores;

- Incômodo incomum com sons altos;

- Distúrbio de sono moderado ou grave;

- Irritabilidade no colo e pouca responsividade no momento da amamentação;

A avaliação formal do Desenvolvimento Neuropsicomotor é fundamental e indispensável e deve fazer parte da consulta pediátrica, assim como, se identificado, o acompanhamento psicoterápico torna-se imprescindível.


Sua prevalência é maior em meninos do que em meninas, na proporção de cerca de 4:1. Estima-se que em torno de 30% dos casos apresentam deficiência intelectual. O TEA é também frequentemente associado a outros transtornos psiquiátricos (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, depressão e ansiedade) e a outras condições médicas (epilepsia; transtornos genéticos). Dificuldades motoras são também relativamente comuns entre indivíduos com TEA, embora sua presença não seja necessária para o diagnóstico.

Quando é detectado qualquer atraso, a estimulação precoce é a regra. Retardar a estimulação significa perder o período ótimo de estimular a aquisição de cada habilidade da criança.


Fonte: Manual de orientação da sociedade brasileira de pediatria, departamento científico de pediatria do desenvolvimento e comportamento.

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page